Dia dos namorados no Japão
Cultura Sociedade

Dia dos namorados no Japão: conheça nosso guia completo e tire todas as suas dúvidas sobre a data

O Valentine’s day – dia dos namorados no Japão é comemorado de forma bem diferente. Entenda o que é o chocolate da obrigação e mais

Dia 14 de fevereiro é comemorado o dia dos namorados no Japão, mas de forma diferente do que estamos acostumados. Saiba mais.

Dia dos namorados no Japão

A data comercial conhecida como dia dos namorados existe no Japão, mas com grandes diferenças apesar da data (14/02) ser a mesma da comemoração nos Estados Unidos e Europa.

A norma ocidental inclui troca de presentes, noite romântica ou dia especial apenas entre pessoas que namoram ou se relacionam.

No Japão, não é bem assim que acontece com aspectos nada românticos. Entenda os principais pontos.

Apenas mulheres dão presentes

No Japão, quem dá o presente no dia dos namorados no Japão são as mulheres. Os homens não têm esse costume, pois não existe a “obrigação”. Socialmente, fica implícito, digamos assim.

Sabe aquele costume que as pessoas não questionam, pois sempre foi assim? É esse tipo de obrigação, existe uma expectativa e quase todo mundo cumpre sem questionar muito. Pelo menos era assim, mas aos poucos as coisas estão mudando.

Em uma analogia, é a mesma coisa que perguntar os motivos de dar chocolate na Páscoa, por exemplo.

Questionamentos

No entanto, de uns tempos para cá com mudanças existentes em relação ao papel das mulheres na sociedade japonesa, algumas já passaram a questionar essa tradição.

Afinal, todo dia dos namorados no Japão existe uma preocupação em comprar ou fazer presentes para todos. Isso demanda esforço, tempo e muito dinheiro apenas das mulheres.

Segundo relatos é bem cansativo, um peso a ser cumprido. No entanto, há quem adore e se anime em presentear todas as figuras masculinas de sua vida. Além disso, é a chance de declarar um afeto, por exemplo.

Quais presentes?

Esqueça os relógios, sapatos, carteiras, perfumes, roupas, jantares românticos ou qualquer coisa do tipo.

O único presente válido no dia dos namorados no Japão é o chocolate ou qualquer doce. Isso nos leva a vários tipos.

Giri-choco: a obrigação invisível e a gratidão

O giri-choco é o chocolate obrigação destinado aos afetos não românticos. Familiares, colegas, chefes, professores, amigos, pais, etc. Ele pode ser baratinho, o importante é dar e não o preço.

Enfim, destinado para as pessoas do círculo de convivência próximo do sexo masculino para mostrar gratidão. Perceberam a pegadinha?

Ingrata, eu?

Apenas as mais corajosas se arriscam em não dar chocolate, já que o sentimento que fica no ar é de que não existe nada a agradecer.

Mão de vaca?

Além disso, você passa a imagem de mão de vaca, já que tem chocolate baratinho de 200 ienes.

As pessoas não costumam pensar que ao total, acabará saindo caro. Nas escolas é uma época animada e as meninas se reúnem para distribuir doces aos montes.

Para ter ideia, em uma sala normal, as meninas chegam a levar de 50 a 80 docinhos em média.

Se trabalha em escritório de porte médio é normal ter 20 colegas homens ou mais. Se trabalha em fábrica então…

No entanto, entre estrangeiros essa tradição pode ser amenizada, mas se tiver um chefe japonês, provavelmente ele terá uma expectativa.

Situação chata

Imagine chegar no dia dos namorados no Japão e ver todas as suas colegas dando chocolate para o seu chefe e você não? Seu professor ou aquele amigo de todas as horas?

Você não vai querer passar a imagem de ingrata, não é mesmo?! É esse o sentimento de obrigação invisível que muitas japonesas relatam sentir.

Se você é estrangeira, eles dão uma colher de chá, já que essas expectativas são aliviadas.

Mas se você quer se enturmar e ser aceita, vai ter que entrar na brincadeira ou não, você decide.

Esse chocolate pode ser industrializado e vários fabricantes lançam campanhas publicitárias nessa época do ano mirando as vendas do giri-choco.

Quanto a mudanças de comportamento, algumas empresas passaram a banir o giri-choco para evitar assédio entre os funcionários. No entanto, a tradição ainda persegue nas mais tradicionais.

Honmei-choco: para expressar sentimentos

A segunda classe de chocolate do dia dos namorados no Japão é o honmei-choco. Esse é destinado apenas aos afetos com intenções amorosas.

Para quem

É o chocolate destinado aos crushes, ficantes, amores não declarados, paixões, desejos, namorados, maridos, etc.

Ele é especial, pois é feito pela pessoa de forma artesanal. Existe um toque pessoal, seja na decoração ou no ato da pessoa ter dedicado tempo, dinheiro, esforço em fazer esses chocolates.

É quase um “gosto de você, olha o que eu fiz com todo carinho e dedicação”.

É uma lógica simples, afinal, se não gostasse tanto, era só ir ali na konbini comprar um chocolate giri-choco e fim de papo.

É uma demonstração pura de intenção ou declaração amorosa mesmo se não for declarado verbalmente.

Execções

Para as estudantes é muito mais barato fazer um honmei-choco em casa. Por exemplo, mufins, cookies ou qualquer coisa com chocolate ou doce.

Isso não quer dizer que elas estão se declarando para a classe toda, mas nessa idade não existe poder aquisitivo para sair comprando giri-choco aos montes.

Jibun-choco: por que eu valho muito

Se você já entrou na onda do giri-choco e do honmei-choco, por qual motivo você não se daria um agrado? O Jibun-choco é o chocolate representando o mimo pessoal.

Tomo-choco: para as amigas

O tomo-choco surgiu para fugir um pouco da obrigação de dar chocolate apenas para as figuras masculinas da vida. É o chocolate para as amigas e familiares queridos. Esse tipo é mais caro e elaborado.

De onde veio essa tradição?

Como toda data comercial, ela teve início para aumentar as vendas de chocolate. Em 1936, uma confeitaria chamada Morozoff de Kobe lançou uma campanha publicitária de dia dos namorados mirando os estrangeiros residentes do país.

Já em 1953, a mesma empresa lançou uma campanha para as japonesas. O alvo foram as mulheres com objetivo em ajudá-las a expressar seus sentimentos com chocolates em formato de coração.

Deu certo, pois dar o chocolate era mais fácil em comparação com declarações verbais.

Além disso, a loja de departamentos Isetan lançou uma campanha de dia dos namorados em 1958.

Na cultura ocidental pode não fazer sentido, mas no Japão as coisas funcionam de forma diferente e declarar os sentimentos é algo que costuma ser difícil para homens e mulheres.

Chocolates, chocolates, chocolates

Para os amantes de chocolates, estar no Japão no mês de fevereiro é ótimo. Os fabricantes de chocolate lançam novos sabores, embalagens criativas e todo tipo de apelo comercial. É muita variedade e com todas as faixas de preço.

Além dos chocolates prontos do dia dos namorados no Japão, é nessa época que os kits de faça você mesmo aparece bastante mirando quem fará o honmei-choco.

0 comentário em “Dia dos namorados no Japão: conheça nosso guia completo e tire todas as suas dúvidas sobre a data

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s