Origem e história do Studio Ghibli
Destaques

Studio Ghibli: conheça a história e origem

Saiba como o Studio Ghibli surgiu no Japão e se diferenciou de todos os estúdios de animação do país.

O Studio Ghibli é uma das marcas mais fortes do Japão, além de ser consolidada internacionalmente pelas suas produções únicas que se tornaram referência para profissionais da criação aos amantes da sétima arte.

Continue lendo e aprenda sobre a história do estúdio de animação mais famoso do Japão.

Studio Ghibli

Studio Ghibli

Contar a história do Studio Ghibli se entrelaça com as carreiras e jornadas de quatro nomes fundamentais: os diretores Hayao Miyazaki e Isao Takahata, do homem de negócios Yasuyoshi Tokuma e do jornalista produtor Toshio Suzuki.

Fundadores do Studio Ghibli em foto icônica mostra Hayao Miyazaki, Toshio Suzuki e Isao Takahata.

Aliás, Toshio Suzuki é o responsável por ter detalhado toda a história, desde os primórdios da criação e todo processo envolvendo o surgimento do Studio Ghibli no Japão.

Seus relatos em primeira pessoa eram encontrados no antigo site oficial do Studio em forma de blog, além das dezenas de entrevistas e informações coletadas por fandoms especializados e mídia tradicional de grandes veículos de comunicação, assim como de trabalhos acadêmicos nas línguas japonês e inglês. Confira.

Tokuma Shoten contrata Toshio Suzuki

Toshio Suzuki é contratado na década de 80 para trabalhar em uma revista especializada em anime da Tokuma Shoten.

Por conta disso, o jornalista conheceu muita gente da indústria do anime no Japão.

Foi quando ficou encantado com a qualidade do trabalho de Hayao Miyazaki e Isao Takahata na produtora Toei, que além de amigos seguiram pelas mesmas empresas trabalhando juntos ao longo dos anos, além de ter uma relação de mentor (Isao) e aprendiz (Hayao).

Já Yasuyoshi Tokuma desempenhou importante função de homem de negócios onde conduziu tudo de acordo com a indústria, ao mesmo tempo em que conciliava os sonhos e vontades de Hayao, Isao e do produtor Suzuki.

Yasuyoshi Tokuma
Yasuyoshi Tokuma (1921 a 2000) foi o CEO da Tokuma Shoten e do Studio Ghibli.

Indústria era focada na televisão e nas crianças

Até então, no Japão era comum que as empresas de animação apostassem apenas em animes para televisão em episódios curtos.

O alvo das exibições eram apenas as crianças e o primor pela qualidade não era algo valorizado. Até porque o orçamento era curto.

O que importava era a rapidez nas entregas, na informalidade dos funcionários em um mercado que engolia pessoas nos processos.

Mas, quando eles lançaram Nausicaa do Vale do Vento em 1984 em uma parceria com a produtora Toei e a Tokuma Shokuten as coisas começaram a mudar.

Ao final das contas, o trabalho bem-feito, com a animação sendo feita a mão e a primazia nos detalhes, além de adotar o modo de storytelling Kishotenketsu fizeram com que o anime fosse um sucesso comercial entre adultos.

Nausicaa Vale do Vento
Nausicaa do Vale do Vento de 1984 não foi lançado pelo Studio Ghibli, mas foi projeto tocado pelos fundadores e deu início a uma parceria de sucesso no Japão. 915,000 pessoas foram ao cinema ver a animação no Japão.

Naquela época, era comum contratar por projeto. Então, até os três primeiros filmes do Studio foram montados times de 70 pessoas pelo tempo de cada produção. Se um filme dava certo, partiam para o próximo.

Tanto Nausicaa, quanto Castelo no Céu foram produzidos pelo Isao Takahata e dirigidos por Miyazaki.

Castelo no Céu

Laputa: Castelo no Céu foi lançado em 1986 no Japão e motivo para o Studio Ghibli ser criado. Outro sucesso de bilheteria no Japão levou mais de 70,000 pessoas ao cinema.

Foi quando eles lançaram em 1986 Laputa: Castelo no Céu co produzido com a Tokuma Shoten, Hakushodo e Top Craft.

Criação por necessidade

O estúdio de animação que tinha feito Nausicaa não existia mais, por isso foi necessário criar um, que recebeu o nome de Studio Ghibli.

O nome foi uma inspiração vinda do motor italiano de aviões Caproni Ca. 309 Ghibli. O pai de Miyasaki trabalhava com construções de aviões e este motor aparece no anime Porco Rosso em clara referência.

Cena do anime Porco Rosso
Porco Rosso foi um filme dirigido por Hayao Miyazaki onde é possível ver um motor do avião Caproni Ghibli

Quem contou a história do nome foi Toshio Suzuki, mas Hayao quando foi questionado em um documentário se limitou a dizer que era apenas um nome que ele pegou de um avião.

Mais uma vez, o anime Laputa: Castelo no Céu foi um sucesso no Japão e desta vez estratégias de marketing e publicidade passaram a fazer parte das ações. Até então, nada era feito nesta parte.

Afinal, como empresa eles precisavam sobreviver para continuar produzindo e apesar de ir contra ao que era praticado pela maioria dos estúdios de animação, sem verba nada fariam.

O anime foi exibido na televisão em horário nobre às 21, além de ter feito parte de ações promocionais em parceria com outras empresas que ditaram o modo de agir em relação a direitos de marca e foram fundamentais nos próximos contratos.

Studio Ghibli vira uma empresa com funcionários fixos e muito bem pagos

A animação de longa duração O Serviço de Entregas da Kiki foi o primeiro hit de bilheteria ao ter atraído mais de 2 milhões de pessoas aos cinemas.

No entanto, até Kiki o Studio ainda não tinha funcionários, o valor pago a equipe temporária era baixo e eles trabalhavam em um andar de prédio alugado.

O Serviço de Entregas da Kiki foi o primeiro mega sucesso de bilheteria e levou 2.64 milhões de pessoas aos cinemas.

A mudança na indústria já começa neste estágio, pois até então o padrão dos estúdios de animação japoneses era não contratar.

O comum era pagar por folha de desenho e demanda entregue em sistema freelancer. Além disso, o trabalho em sua maioria era feito em CGI ou usando técnicas de computação.

Salário que dobra

Já o Studio Ghibli por decisão de Hayao deveria ter funcionários fixos que recebessem um salário que dobraria todos os anos, com equidade de salário para homens e mulheres.

Totoro possibilita que o Studio continue

Meu Amigo Totoro do Studio Ghibli
Meu Amigo Totoro

Totoro foi outro sucesso comercial e arrecadou US$ 41 milhões na bilheteria internacional e US$ 1.46 bilhões em vendas nacionais de vídeo e produtos licenciados.

Além disso, o personagem Totoro começou fazer parte do logo da empresa, além de ter virado um sucesso comercial, coisa que salvou o Studio nos próximos anos e foi importante para seu crescimento e desenvolvimento.

Cena da animação Meu Amigo Totoro
Tonari no Totori recebeu o nome em inglês My Neighbor Totoro (Meu Vizinho Totoro). No Brasil recebeu o nome de Meu Amigo Totoro

Foco não era venda de brinquedos

Apesar do sucesso dos itens do Totoro, o lema proposto de mudança pelos diretores e produtor era não sacrificar a qualidade dos animes e não deixar o rumo ir para a venda de brinquedos licenciados. O foco era fazer filmes e os produtos da marca seriam colocados em segundo plano.

Isso já ia ao contrário da indústria, que prezava a venda de produtos licenciados e não produção de filmes.

Custos enormes de produção, mas equipe valorizada

Ter uma equipe fixa que recebe aumentos todos os anos acabou fazendo com que o custo da produção fosse enorme de forma gradual e constante.

A mão de obra era cara e para que este sistema funcionasse, a equipe deveria estar sempre ocupada trabalhando em algum anime.

Enquanto Castelo no Céu estava sendo finalizado, Hayao Miyazaki recebeu a tarefa de trabalhar sozinho em Porco Rosso, pois o time estava ocupado e a empresa precisava continuar produzindo.

Porco Rosso do Studio Ghibli foi stopim para construção de nova sede
Porco Rosso é um anime do Studio Ghibli dirigido por Hayao Miyazaki. Por ter que trabalhar sozinho no projeto, Hayao propõem construção de nova sede de trabalho para poder contratar mais gente e não ter o mesmo problema.

Sobrecarregado de trabalho, encontrou uma solução inusitada e ousada, que de forma incomum foi aprovada por Yasuyoshi Tokuma.

Surgimento da nova sede

Fachada do prédio principal dos escritórios do Studio Ghibli
Fachada de um dos prédios do Studio Ghibli. As instalações tem unidades adjacentes separadas com prédio de creche onde os filhos dos funcionários ficam, studio pessoal de Hayao Mizazaki e outras instalações.

A ideia era construir uma sede maior para abrigar mais funcionários e aumentar a capacidade de produção sem reduzir custos e preservar a qualidade das produções, além de fornecer um espaço adequado para as pessoas.

Até então, trabalhava todo mundo junto em uma sala apertada. O diretor Hayao Miyazaki desenhou a construção, escolheu os materiais e aprovou tudo com o orçamento liberado pelo Takayaki vindos do caixa que foi possível ter graças a vendas de brinquedos do Totoro. Fez tudo isso enquanto terminava sozinho Porco Rosso.

Lançamento duplo em uma ação ousada

Eles fizeram um lançamento duplo de O Túmulo dos Vagalumes dirigido pelo Isao Takahata e Meu Amigo Tororo de Miyazaki em 1988.

Outro movimento ousado a fim de dar espaço para os dois criarem animes de forma paralela sem pensar no lado comercial em primeiro plano, mas na abertura dos dois poderem satisfazer seus lados artísticos.

Produções de alto custo, alto risco, mas grandes retornos

Nesta etapa, o Studio tinha produção de alto custo, alto risco, mas com grandes retornos. Se gastava muito para fazer os animes, mas o retorno era igualmente bom.

Lucro reinvestido nos animes

Ao mesmo tempo, o Studio consolidava sua reputação com animes de qualidade. Desta forma, todo o ganho era reinvestido na empresa para fazer as películas para cinema.

A partir da construção da nova sede, passaram a ter espaço para criar novos departamentos fazendo com em um único lugar fosse possível ter criação e desenvolvimentos de novos animes, com suporte para distribuição e divulgação.

Este detalhe é um outro fator que separa o Studio Ghibli de outros estúdios no Japão, que a premissa é fazer tudo o mais barato e terceirizado em sua forma geral. Em outras palavras, trabalhar na indústria não é nada fácil até os dias atuais, pois o Studio Ghibli é um negócio único no Japão.

A partir dali a engrenagem continuou funcionando com todos os lançamentos dentro do Japão sendo sucessos de bilheteria com animações pensadas para o público japonês.

No entanto, com distribuição em parceria com a Disney, os animes ficaram conhecidos pelos ocidentais.

Mas, foi depois de A Viagem de Chihiro ter ganhado o prêmio de Oscar na categoria melhor animação em língua estrangeira em 2003, que a popularidade fora do Japão estourou.

A Viagem de Chihiro - Spirited Away do Studio Ghibli
A Viagem de Chihiro arrecadou US$ 385,8 bilhões

Foram lançados 21 animações de sucesso nos últimos 28 anos (até o momento).

Hoje, grande parte da renda vem do museu, dos direitos dos animes e do recém inaugurado parque.

Parque do St
Parque do Studio Ghibli

Como está o Studio Ghibli atualmente?

Após a morte de Isao Takahata em 2018, a aposentadoria de Hayao Miyasaki em 2013 e o envelhecimento de Suzuki, novos ares estão sendo soprando no Studio.

A justificativa da aposentadoria de Miyasaki foi a de abrir espaço para novos talentos surgirem. No entanto, retornou em 2021 para trabalhar em sua última animação Como você vive? em dedicação ao seu neto.

O anime e último trabalho do diretor está sendo feito aos poucos e sem pressa. Atualmente metade está pronto e a previsão de lançamento ficou para 2023.

Segundo uma entrevista de Suzuki, o Studio está dividido em duas equipes atualmente, a de Miyazaki com técnicas antigas e a de seu filho Goro Miyazaki mais focado em produção usando tecnologia computadorizada. A última animação do estúdio foi dirigido por Goro em Aya e a Bruxa de 2020.

Aya e a Bruxa foi o primeiro filme do Studio Ghibli feito em CGI
Aya e a Bruxa foi lançamento de 2020 do Studio Ghibli foi feito em CGI sob direção do filho de Hayao, Goro Miyazaki.

Mudança de pensamento e acordo com gigantes do streaming

O sistema de negócios do Studio apesar de ser altamente lucrativo, tem grande parte da verba reinvestida na produção de animes e no pagamento de sua equipe.

Por isso, apesar de Hayao Miyazaki ter ficado muito relutante em disponibilizar os animes para os streamings, foi convencido de que esta verba seria importante para o lançamento de novas produções futuras e fazer com que o Studio continue engrenado e ativo nos próximos anos.

Foi assim que todo o catálogo ficou disponível na HBO Max e na Netflix.

Qual é o primeiro filme do Studio?

Se você leu toda a história de criação percebeu que existe uma pegadinha que acabou fazendo com que as pessoas ficassem na dúvida, sobre qual filme seria o primeiro lançamento do Studio.

Laputa Castelo no Céu é a primeira animação oficial do Studio Ghibli
Laputa: Castelo no Céu foi bem recebido pelo público no Japão

Oficialmente, Castelo no Céu foi a razão para o Studio ser criado em 1986 por uma questão técnica. O Nausicaa foi lançado em 84, desenhado por Hayao, dirigido pelo Takahata, produzido pelo Toshio Suzuki, mas o Studio Ghibli ainda não existia.

No entanto, a animação Nausicaa não deixa de ser um clássico que merece ser apreciado pelos fãs.

Leia também

Drive My Car: resenha e crítica do filme japonês que fez história nas premiações

Gojira/Godzilla: aprenda mais sobre o kaiju mais famoso do mundo e rei dos monstros

Demon Slayer: confira curiosidades e fatos sobre o anime mais visto do Japão

Filmes do Studio Ghibli

Filmes do Studio Ghibli 1986 a 2020

Vamos deixar em ordem cronológica todos os lançamentos abaixo.

Nausicaa do Vale do Vento – 1984 – Kaze no Tani no Naushika

Lançamento do filme Nausicaa do Vale do Vento (Kaze no Tani no Naushika) em 1984 dirigido por Miyazaki e produzido Takahata. Foi lançado um ano antes do Studio Ghibli surgir.

Nausicaa Vale do Vento é uma animação feita pelo Hayao Miyazaki com produção do Isao Takahata, mas o Studio Ghibli não existia ainda

Laputa: Castelo no Céu – Tenku no shiro Rapyuta – 1986

Primeiro filme do Studio Ghibli é Laputa: Castelo no Céu de 1986

Meu Amigo Totoro – 1988 – Tonari no Totoro

Meu Amigo Totoro

Túmulo dos Vagalumes – 1988 – Hotaru no Haka

O Túmulo dos Vagalumes

O Serviço de Entregas da Kiki -1989 – Majo no Takkyubin

O Serviço de Entregas da Kiki

Memórias de Ontem – 1991 – Omoide Poro Poro

Porco Rosso – 1992Kurenai no Buta

Porco Rosso - Kurenai no Buta

Ocean Waves – 1993Umi ga Kikoeru

Pom Poko – 1994 – Heisei Tanuki Gassen ponpoko

Susurros do Coração – 1995 – Mimi wo Sumaseba

Sussurrps do Coração- Mimi wo Sumaseba

Princesa Mononoke – 1997 – Mononoke Hime

Mononoke Hime - A princesa Mono

Meus Vizinhos, os Yamada – 1999 – Hohokekyo Tonari no Yamada Kun

- Hohokekyo Tonari no Yamada Kun

A Viagem de Chihiro – 2001 – Sen to Chihiro No Kamikakushi

A Viagem de Chihiro

O Reino dos Gatos – 2002 – Neko no Ugoku Shiro

O Castelo Animado – 2004 – Hauru no Ugoku Shiro

O Castelo Animado

Contos de Terramar – 2006 – Gedo Senki

Ponyo – 2008 – Gake no Ue no Ponyo

O Mundo dos pequeninos – 2010 – Kari-gurashi no Arietti

Da Colina Kokuriko – 2011 – Kokuriko Zaka Karo

O Conto da Princesa Kaguya – 2013 – Kaguya no Hime

O Conto da Princesa Kaguya

Vidas ao Vento – 2013 – Kaze Tachinu

Vidas ao Vento

Memórias de Marnie – 2014 – Omoide no Marnie

As Mem

A Tartaruga Vermelha – 2016 – Reddo Tatoru: aru shima no monogatari

Aya e a Bruxa -2020 – Aya to Majo

Aya e a Bruxa

0 comentário em “Studio Ghibli: conheça a história e origem

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: