Giro de notícias no Japão
notícias do Japão

Giro de notícias do Japão: 4 de dezembro de 2020, sexta-feira

Possível prolongação da campanha de viagem doméstica Go To Travel, prisão do ex CEO da rede Don Quijote, a mudança progressiva para carros elétricos com o objetivo de paralisar a venda de carros movido a combustível até 2030 e os planos para não cobrar taxas dos ganhos de estrangeiros não residentes nos cassinos resorts do Japão

Em um único post, confira uma seleção de resumos das notícias do dia saídas e traduzidas dos principais portais de notícias no Japão. Confira temas de categorias diferentes, como política, entretenimento, sociedade e mais. Se atualize e saiba o que aconteceu no país de uma vez só em poucos minutos.

Giro de notícias no Japão: 4 de dezembro de 2020, sexta-feira

A manhã de sexta-feira foi marcada pela notícia da possível prolongação da campanha de viagem doméstica Go To Travel, prisão do ex CEO da rede Don Quijote, a mudança progressiva para carros elétricos com o objetivo de paralisar a venda de carros movido a combustível até 2030 e os planos para não cobrar taxas dos ganhos de estrangeiros não residentes nos cassinos resorts do Japão.

Primeiro-ministro Yoshihide Suga decide prolongar campanha Go To Travel

O primeiro-ministro do Japão Yoshihide Suga informou para a imprensa na manhã do dia 4 de dezembro que a campanha de incentivo ao turismo doméstico Go To Travel não acabará no dia 30 de janeiro como previsto inicialmente.

Uma reunião foi feita com a força tarefa da campanha. Suga afirmou estar ciente do aumento de casos de coronavírus no Japão, mas não existe objetivo de encerrá-la.

Alterações

Algumas alterações foram feitas em novembro com a paralisação da emissão de cupons de restaurantes Go To EaT nos locais com aumento expressivo e subsídios a estabelecimentos comerciais que aceitarem ter horas de restrição de abertura.

A paralização da emissão dos cupons Go To Eat terminou e recomeçaram na terça-feira, 1 de dezembro, e terminará oficialmente em janeiro, mas segundo especulações se prolongará.

Suga conforme foi divulgado pela rede de televisão NHK, não possui intenção de interromper o Go To Travel, pois é um esforço para manter empregos sob a premissa de proteger a vida das pessoas, assim como seus modos de subsistências.

Portanto, a campanha será estendida, assim como medidas mais restritas serão colocadas em prática para proteção das pessoas e evitar que o coronavírus se espalhe.

Japão pretende tornar elétrico toda a frota de carros até 2030

O país está fazendo um esforço para tornar todos os carros eco-friendly com o objetivo de parar totalmente com a emissão de carbono, segundo informações do Nikkei.

Uma conferência será conduzida no final do mês com especialistas da indústria automobilística para estabelecer as alterações da transição para carros híbridos e elétricos.

Partido Liberal Democrático (LDP) pretende não cobrar tarifas nos ganhos em cassinos para apostadores estrangeiros não residentes do Japão

Segundo informações do Japan Times, a intenção é atrair apostadores estrangeiros que não morem no país aos cassinos.

Os planos estarão inclusos na reforma de tarifas para o ano fiscal 2021. Desta forma, os ganhos dos cassinos resorts serão taxados da mesma forma que o dinheiro ganho em corridas de cavalo. Para os residentes japoneses os ganhos deverão ser taxados com base na declaração de ganhos.

Ex CEO da rede Don Quijote é preso sob acusação de negociação com informações privilegiadas

O CEO formal da rede Don Quijote, Koji Ohara, foi preso na quinta-feira, 3 de dezembro. A acusação remete a 2018 sob alegações de informações privilegiadas.

Ohara supostamente avisou uma pessoa para comprar ações da empresa Don Quijote quando seria feito o anúncio da oferta pública de aquisição pela empresa FamilyMart.

As ações ganharam valorização de 5,000 ienes para mais de 6,000 ienes após a aquisição anunciada em 11 de outubro de 2018. Koji Ohara negou as acusações em interrogatório antes de sua prisão de acordo com fontes familiares. No entanto, os promotores do caso não divulgaram se o executivo negou ou admitiu as acusações.