Kyoto pode entrar em falência se falta de turistas persistir
Notícias notícias do Japão

Kyoto está no limite da falência por falta de turistas

A cidade de Kyoto está em situação crítica

A cidade de Kyoto no Japão está passando por dificuldades financeiras, devido a falta de turistas. No ano que a pandemia estourou no mundo em 2020, houve uma queda de 88% do turismo. O prejuízo chegou por volta de U$ 440 milhões, só para ter ideia.

Risco de falência em uma década

A situação é tão crítica que o prefeito da cidade histórica, Daisaku Kadokawa, avisou que há risco de falência dentro de uma década, caso o problema persista.

O déficit fiscal para o final de março de 2022 é esperado em ser muito maior que o prejuízo causado pela pandemia e pode chegar a 50 bilhões de ienes, que será somado a outro valor de 860 bilhões de ienes (U$ 7.5 bilhões) de débito acumulado.

Perdas bilionárias

Se isso continuar, as perdas anuais poderão ser de 260 bilhões de ienes (U$ 2,3 bilhões) em 2025. A cidade luta para se recuperar e os indícios mostram que a situação não está perto de melhorar.

As reservas dos hoteis não está um terço próxima do que era em 2019, antes da pandemia. O inverno promete ser nada promissor.

Adiamento da campanha Go To Travel

Para deixar as coisas piores para o turismo de Kyoto, o governo japonês adiou a volta da campanha Go To Travel, um programa que incentivava o turismo doméstico, ao subsidiar os custos das viagens.

A campanha foi paralisada devido ao avanço dos casos de coronavírus e atualmente está em revisão e uma possível volta está programada para fevereiro de 2022. O atual primeiro-ministro, Fumio Kishida afirmou que o programa voltará apenas quando for seguro.

Para completar, os turistas estrangeiros, incluindo estudantes internacionais ainda estão proibidos de entrar no Japão. Então, o plano para reestruturar as finanças da cidade inclui cortar alguns empregos.

550 vagas cortadas até 2025

Estima-se que 550 vagas serão cortadas até 2025, além da redução de serviços de assistência social. Essas medidas drásticas ajudarão a economizar 160 bilhões de ienes (U$ 1.4 bilhões) e prevenir que o governo central assuma o controle de Kyoto.

Outro problema se acumula ao débito devido a falta de turistas, que movimentava a economia da cidade.

Uma das duas linhas de metrô construídas em 1997 ainda não foi integralmente paga. Além disso, o recolhimento de impostos é baixo, pois 40% da população é composta por estudantes ou pessoas com 65 anos ou mais, que dificilmente pagam taxas.

Além disso, templos e santuários são isentos de pagamentos de algumas taxas e as casas tradicionais de madeira (machiya) também pagam menores valores.

Fonte: Asia News

0 comentário em “Kyoto está no limite da falência por falta de turistas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s