Foto por Kim Kyung-Hoon/Reuters
Política Sociedade

Oito prefeituras entraram em estado de quase-emergência e hospitais japoneses passarão a aceitar apenas pacientes em estado crítico nos hospitais

O Primeiro-Ministro Yohishide Suga decidiu na segunda-feira (2) que apenas pacientes em estado grave deverão ser internados no país enquanto oito prefeituras entram no estado de quase-emergência. Confira

Nas últimas semanas, o número de pessoas internadas no sistema de saúde aumentou vertiginosamente. Nesta quinta-feira (5), a ocupação dos leitos chegou a 108.400, há um mês, dia 5 de julho, segunda-feira, a ocupação era de 16.391 leitos.

Diante desta realidade, o governo central adotou uma política de aceitar apenas pessoas contaminadas em estado grave para aliviar a pressão nos hospitais do país considerando que os leitos estão ocupados por pacientes moderados.

Internações por casos moderados de COVID-19 subiram aproximadamente 850% entre 5 de julho a 5 de agosto
Internações por casos moderados de COVID-19 subiram aproximadamente 850% entre 5 de julho a 5 de agosto

A decisão gerou críticas de legisladores de oposição. Os parlamentares alegam que há o risco real de pessoas que apresentam sintomas moderados apresentarem pioras no estado de saúde e acabem ficando sem tratamento.

O Primeiro-Ministro Yoshihide Suga anunciou a medida na segunda-feira (2), e apesar dos apelos de colegas de seu próprio partido na quarta-feira (4), Suga informou que não voltará atrás de sua decisão.

Novo desgaste na gestão Suga

Antes dessa decisão do Primeiro-Ministro, o governo central havia determinado que apenas pessoas com sintomas leves de COVID-19 devessem ser orientadas a voltar para suas casas para realizar a quarentena.

Porém, com as infecções aumentando em todas as prefeituras chegando a mais de 15 mil contaminados nesta quinta-feira (5), Suga disse a jornalistas que: “É uma medida para disponibilizar atendimento médico”.

O primeiro-ministro informou em entrevista coletiva a decisão do governo em alterar a política para o sistema de saúde do país na resposta a pandemia
O Primeiro-Ministro informou em entrevista coletiva a decisão do governo em alterar a política para o sistema de saúde do país na resposta a pandemia

A vice-líder do partido Komeito (da coalizão governante LDP-Komeito), Michiyo Takagi criticou a nova medida: “Espero que essa decisão seja reconsiderada, incluindo a possibilidade da retirada de atuais pacientes de seus leitos”.

Para o ex-ministro da saúde Akira Nagatsuma, essa política é um “desastre causado pelo homem”.

Os líderes do CDPJ (Constitutional Democratic Party of Japan), o JCC (Japanese Communist Party) e o DPP (Democratic Party for the People) entrarão com um pedido para anular a medida.

Outras declarações

Em entrevista coletiva, o ministro da Saúde do Japão, Norihisa Tamura declarou que a medida visa garantir leitos para pessoas que enfrentam risco de morte por eventuais agravamentos de casos e que ainda não se encontram na rede de saúde do país.

Shigeru Omi, principal conselheiro para assuntos relacionados a pandemia de COVID-19, informou em uma sessão da Dieta que não foi comunicado da decisão.

Ministro da saúde Norihisa Tamura defende a posição do governo alegando que o risco de pessoas com sintomas graves não consigam um leito dado a lotação nos hospitais
Ministro da saúde Norihisa Tamura defende a posição do governo alegando que o risco de pessoas com sintomas graves não consigam um leito dado a lotação nos hospitais

O ministro Tamura, no entanto, afirmou que a decisão não era um problema, uma vez que o governo já tinha avaliado a situação.

A aliada do partido do Primeiro-Ministro, a vice-líder do Komeito Michiyo Takagi, criticou a decisão por ela também possibilitar que pessoas com pneumonia ou outros problemas respiratórios também sejam retirados dos hospitais.

Além disso, Takagi afirmou: “É impossível tratar pacientes considerados moderados com ventiladores em casa”. Assim sendo, é inviável que esses pacientes, seja de COVID-19, pneumonia ou outro problema respiratório se recuperar em casa.

Oito prefeituras entram em estado de quase-emergência

Nesta quinta-feira (5), oito prefeituras japonesas entraram em estado de quase-emergência até o dia 31 de agosto: Fukushima, Ibaraki, Tochigi, Gunma, Shinzuoka, Aichi, Shiga e Kumamoto.

A medida acontece em meio ao aumento das contaminações pela variante Delta, uma cepa mais infecciosa do que o MERS, SARS, ebola, gripe e sarampo e já com transmissão local em algumas regiões do Japão.

Mapa de prefeituras em estado de emergência e quase-emergência divulgada em transmissão pela emissora NHK
Mapa de prefeituras em estado de emergência e quase-emergência divulgada em transmissão pela emissora NHK

Estão dentro do estado de emergência as prefeituras de Tokyo, Okinawa, Chiba, Kanagawa, Saitama e Osaka também até o dia 31. Algumas regiões das prefeituras de Hokkaido, Ishikawa, Kyoto, Hyogo e Fukuoka também estão em estado de emergência.

A principal restrição é a proibição da venda de bebidas alcoólicas por bares, restaurantes, karaokê e outros estabelecimentos que trabalhem com álcool. Aos que não servem, foi solicitado que as portas sejam fechadas às 20:00.

0 comentário em “Oito prefeituras entraram em estado de quase-emergência e hospitais japoneses passarão a aceitar apenas pacientes em estado crítico nos hospitais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s